segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

soneto "ESPUMAS LAVADEIRAS"




As ondas vem e vão
Quando vem, traz espumas flutuantes
Que me levam a um anseio infinito
De saber se me lavaram.

E quando vai
Eu descubro que lavaram e levaram tudo:
Pensamentos tristes e felizes,
Momentos de amnésia e recordação e outros tantos.

Se me levaram tudo,
O que me resta?
Construir tudo de novo e melhor!

Mas as espumas flutuantes levam,
E depois de tempos traz de volta
tudo aquilo que eu ja não queria mais.

Danillo Salviano

6 comentários:

Um chato de galochas disse...

Danilo esse poema é seu?
muito legal, gostei, continue postando pq vale a pena ler.
a partir de agora estou acompanhando o seu blog, acompanhe o meu tbm!

Danillo Gómez disse...

sim é de minha autoria como outros que tenho aki no blog!e agradeço pela sua visita

Iиgяΐđΐzΐинαα disse...

taah, beem dake a pouco meu coleguinha vira um belo de um autor.
que essas poesias estão boa de mais... ;D bjooz.

Glaukitos disse...

Blz?

Tem selo pra vc lá no meu blog:

http://glaukitos.blogspot.com/

abraço e sucesso sempre!

Marcelo Martins disse...

gosteiii


massinhha

Angie disse...

soneto LINDO ...
mas por vezes essas espumas flutuantes que voltam e trazem "tudo aquilo" que já não queriamos são mais fortes, acabando por causar danos. Mas isso elas podem levar tudo, tristezas, magoas, alegrias, recordaçoes, emoçoes... tudo... desde que nunca mais voltem. Isto para podermos continuar a crescer com aquilo que "construimos de novo"

Beijinho